(11) 2942-0358
contato@veritasexacta.com.br

Amazon projeta investir US$ 2 bilhões em sustentabilidade

Amazon projeta investir US$ 2 bilhões em sustentabilidade

Em busca de reduzir sua pegada de carbono, a Amazon (AMZN) projeta investir US$ 2 bilhões em “tecnologias sustentáveis e descarbonizantes”.

O fundo que será conduzido pelo grupo de desenvolvimento corporativo da companhia com o auxílio da equipe interna de sustentabilidade da Amazon, terá o encargo de sustentar tecnologias criadas para diminuir emissões de gases de efeito estufa atribuídas ao aquecimento global.

Batizado de Climate Pledge Fund pretende realizar apostas em diferentes setores, como transporte, manufatura, geração de energia e agricultura, disse a Amazon em nota.

Após sofrer pressão de funcionários e ativistas externos, o diretor-presidente da Amazon, lançou no último ano um compromisso para que a empresa cumpra as metas estabelecidas no acordo de Paris há dez anos.

A Amazon também informou sobre um cronograma mais ambicioso para abastecer as operações com fontes de energia renováveis – adiantando o prazo em cinco anos, para 2025. A empresa manteve o compromisso original de atingir a neutralidade em carbono até 2040.

Em janeiro, a Microsoft lançou seu próprio fundo climático de US$ 1 bilhão. A empresa investirá em tecnologia para remover ou reduzir o carbono da atmosfera terrestre, parte da iniciativa para eliminar o impacto cumulativo da empresa desde sua fundação em 1975.

Rivais da computação em nuvem fazem pressão mútua para combater as mudanças climáticas, mesmo quando funcionários as pressionam a fazer mais.

A empresa coordenou os anúncios para coincidir com o lançamento de um relatório de sustentabilidade, o primeiro desde que a Amazon divulgou sua pegada de carbono e estabeleceu objetivos de sustentabilidade em setembro.

Durante a última semana, a Amazon anunciou os primeiros signatários do Climate Pledge, um convite para que outras empresas tracem metas equivalentes às da Amazon para eliminar ou compensar suas emissões de carbono até 2040.

Fonte: MoneyTime

Grupo Studio

Fiscal Ti