(11) 2942-0358
contato@veritasexacta.com.br

Petroleira BP projeta expansão de baixo carbono em sua matriz

Petroleira BP projeta expansão de baixo carbono em sua matriz

Uma das maiores companhias petroleiras do mundo, a britânica BP, apresentou recentemente sua estratégia para 2030. A empresa continua com a tendência de redução de carbono em suas atividades onde o petróleo assume um papel cada vez menos, mas segue no portfólio de produtos. Agora, são questões como eletricidade de baixo carbono, hidrogênio e CCUS, bioenergia e integração do gás natural, que estão em destaque.

No evento BP Day, que aconteceu de maneira totalmente online, os números apresentados pela companhia revelam que em desenvolvimento de fontes renováveis a multinacional projeta passar de 2,5 GW para 50 GW ao final desse período. Um aumento de 20 vezes o anunciado em 2019. Em energia elétrica negociada o volume projetado é o dobro, passando dos 250 TWh para 500 TWh. Mesma perspectiva de crescimento em GNL que estava em 14,9 Mtpa para 30 Mtpa. Em bioenergia a elevação é de 22 Kbd para mais de 100 Kbd.

O Brasil apareceu com destaque no portfólio da BP tanto em gás com as usinas do Porto do Açú, da GNA onde a empresa tem participação, e também em bioenergia por conta de biocombustíveis e a produção de etanol de cana de açúcar.

Em geração de energia elétrica, contudo, o maior volume de projetos em desenvolvimento encontra-se nos Estados Unidos e na Europa com 9 GW e 7 GW de potência instalada, respectivamente. Na América Latina são 2 GW, mesmo volume verificado na Ásia e 200 MW no Oriente Médio/África.  A fonte predominante é a solar com 83% desse total, a eólica vem distante com 15% e 2% de bioenergia.

O vice-presidente executivo da área de Gás e Energia de Baixo Carbono, Dev Sanyal ressaltou que esse portfólio apresenta características que colocam a empresa com confiança na expansão e rentabilidade. Ele relatou que estão localizados em mercados de crescimento rápido. Que a BP possui a capacidade e o conhecimento para implementação. Considera esse um pipeline robusto e que estão confiantes de retorno sobre o investimento em índices que variam de 8% a 10%.

Para finalizar, a BP também atua em uma nova área no sentido de seguir à descarbonização da matriz energética. É por meio do atendimento a cidades, países e corporações. No foco da empresa estão sistemas de mobilidade, eficiência energética e sistemas de energia, que apresentam um potencial ao passo que as cidades vêm buscando melhorar a qualidade de vida, com menor emissão de carbono nesses ambientes cada vez mais complexos e mais populosos, destacou a BP em seu evento anual, citando exemplos na cidade de Aberdeen (Reino Unido), Houston (Estados Unidos) e a meta do governo da Tailândia em mudar sua capital que atualmente é Jacarta.

Já em cooperação no nível corporativo, destacou o contrato recém fechado com a Microsoft voltada para a digitalização  de sistemas de energia e a redução de emissões de ambas companhias. A ideia nesse acordo é de que a Microsoft alcance as metas de gases de efeito estufa até 2025. O acordo engloba além de Estados Unidos e Europa, a América Latina.

Fonte: Canal Energia

Grupo Studio

Fiscal Ti