(11)2059-2863 / (11)2059-3032
contato@veritasexacta.com.br

Imposto de importação de etanol e de seis alimentos são zerados até o fim do ano

Imposto de importação de etanol e de seis alimentos são zerados até o fim do ano

Medida anunciada pelo Ministério da Economia também prevê a redução em 10% da alíquota para equipamentos de informática e telecomunicação de forma permanente.

O governo federal zerou as tarifas de importação sobre etanol e seis tipos de alimentos nesta segunda-feira (21). A medida foi anunciada pelo Ministério da Economia e vale até o final de 2022.

Além disso, a tarifa que incide sobre bens de capital, de informática e telecomunicações terá uma redução de 10%, mas de forma permanente.

Segundo o secretário de Comércio Exterior, Lucas Ferraz, as estimativas mostram que a redução a zero da tarifa do etanol poderá reduzir em 20 centavos o preço do litro da gasolina na bomba.

Para o governo federal, essas medidas anunciadas ontem terão peso de R$ 1 bilhão por ano aos cofres. A perda de arrecadação não precisará ser compensada por se tratar de um imposto regulatório.

Produtos com imposto de importação zerados

Na lista de alimentos que terão imposto de importação zerado estão: café moído, margarina, queijo, macarrão, açúcar e óleo de soja.

O secretário de Comércio Exterior disse que a medida sobre os alimentos não se trata de “nenhuma bala de prata” para combater a inflação, mas que zerar o imposto de importação de alguns itens da cesta básica “seria um fator que contribuiria para o arrefecimento da dinâmica inflacionária”.

Já a secretária-executiva da Câmara de Comércio Exterior (Camex), Ana Paula Repezza, comentou que o foco das medidas está voltado para o “aumento da competitividade, da produtividade da economia brasileira e da indústria nacional”.

Além disso, Repezza avaliou o objetivo das ações como “essencial quando parte da nossa indústria tenta se recuperar de um cenário de pandemia, precisando investir e adquirir máquinas e equipamentos inovadores, de mais tecnologia”.

Fonte: Portal Contábeis com informações da CNN

Spednews